SINDASP-MG realiza inspeção sindical em Carmo do Paranaíba e Monte Carmelo

30 Out 10:19 2017 Por SINDASP Imprimir

O SINDASP-MG esteve ontem (26.10) em Carmo do Paranaíba para escolha e eleição de Delegados Sindicais para intermediar e atender as demandas dos ASPs das unidades da região. No dia seguinte à assembleia, o Presidente Adeilton Rocha e o Diretor Everaldo Márcio realizaram inspeções sindicais no Complexo Penitenciário Nossa Senhora Do Carmo (CPNSC), em Carmo do Paranaíba, e no Presídio de Monte Carmelo.

O cenário do CPNSC não difere das demais unidades prisionais mineiras em relação à superlotação, com um número de presos que extrapola, de forma gritante, o número de vagas: são 620 presos para 286 vagas. Além disso, outra situação preocupante é o déficit de Agentes, com um número irrisório de 160 ASPs lotados na unidade.

Em relação à estrutura da unidade, apesar de ter uma estrutura física boa, falta manutenção, como é o caso de um vazamento na caixa d'água que prolonga há mais de um ano, fazendo com que a conta de água tenha praticamente dobrado de valor: "é o Estado desperdiçando dinheiro por pura irresponsabilidade", completa Adeilton.

A relação dos Agentes da unidade com o Diretor também é boa. Os ASPs estão empenhados e unidos para construir um alojamento para a unidade e as viaturas só estão com a manutenção em dia graças ao apoio do conselho da comunidade local.

Após registrar as demandas do CPNSC, o SINDASP-MG seguiu então para o Presídio de Monte Carmelo, onde foi encontrada a mesma situação de superlotação e déficit de servidores. O Presídio, que possui uma capacidade para 62 presos, atualmente, está com 175 encarcerados e apenas 41 Agentes, sendo 20 contratados, ou seja, prestes a perder metade de seu efetivo.

A unidade também necessita de melhorias estruturais como colocação de câmeras, construção de um alojamento e melhorias na estrutura física da portaria. Além disso, também faltam equipamentos de trabalho na unidade, todos os coletes estão vencidos. O presídio possui apenas duas viaturas policiais, sendo uma baixada e outra circulando com pneus carecas. Os agentes da unidade ainda não possuem Tecaf.

Novamente o SINDASP-MG depara-se com o cenário de total abandono do Governo para com o Sistema Prisional. As mazelas se repetem: falta de equipamentos, falta de estrutura física, superlotação gritante, déficit de agentes, ou seja, um cenário de caos e negligência. "Quanto mais nos afastamos da capital, pior é o cenário que encontramos. Se na capital a situação já é de extrema preocupação, na maioria das unidades do interior consegue ser ainda pior", afirma Adeilton. Todas estas demandas foram registradas para que sejam dados os devidos encaminhamentos.

Notícias relacionadas